domingo, 31 de julho de 2011

A mulher ou Causa

Maligna é a imobilidade de quando me faltas.


Os castelos de marfim de um porvir iluminado

Que talho noite a noite na ante-sala de sonhos juvenis

Fincam estacas rígidas em memórias tuas

Tão atômicas, como fossem eternamente desintegráveis.


Mas quão pestilentos são os assombros da terceira hora!

Furtivamente manifestam-se em severa ilusão

De que te levarão, estes sempiternos minutos pavorosos.


Todavia, da profundeza do maior de todos os tormentos

Bendito! Bendito seja o dia em que te direi Adeus

Pois que a Deus voltará o que de mais semelhante a Ele eu pude ver.

Um comentário:

  1. Parabens pelo blog, ja entrei aqui algumas vezes.
    Estou seguindo, se puder, entra no meu blog e siga eu tb. Grato.
    Caso haja interesse em trocar banners, é só copiar o código do meu banner, e me avisar que imediatamente coloco o seu banner no meu blog.

    http://loucopolemico.blogspot.com

    ResponderExcluir