domingo, 14 de novembro de 2010

Interpostos

Dizem-se mestres da retórica

os que esbravejam discursos inteiros:

Falas ininterruptas

carregadas de continuidade e tédio.

Axiomáticos que são, dados à fadiga do evidente.


O que, porém, ao íntimo do secreto eles relegam

é que nos parênteses, sim, as coisas acontecem.

O sabor do pormenor, o nome próprio

O traço da fronteira.


Ah, pobres e ingênuos que são!

Sem saber, adormecem o paladar

que só entrelinhas sente gosto.


(fecha parênteses)

5 comentários:

  1. Já diria Clarice: "Já que se há de escrever, que pelo menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas. O melhor está nas entrelinhas."


    Muito lindo! Ultimamente eu tenho gostado muito mais dos seus escritos.
    [acho que é porque agora eu entendo melhor hahaha]

    Amo-te!

    ResponderExcluir
  2. muito bom, muito. sabe usar bem as palavras mesmo, dentro e fora dos parênteses.

    ResponderExcluir
  3. Sua escrita é excelente... os temas abordados também. Seguirei.

    ResponderExcluir